Review: Violentina

Violentina é sobre isso: reúna seus amigos e passe um bom tempo se divertindo enquanto criam uma história. Mais do que os tradicionais RPGs, em Violentina cada jogador tem um grande poder de mudar a história. Isso porque não há um Mestre ou Narrador: todos são “Mestres” revezando em turnos. Essa é a idéia mais forte em Violentina, e a que mais me impressionou.

Eu já fui de planejar cada detalhe de minhas sessões de RPG quando Mestrava ou Narrava, mas com o tempo fui adquirindo uma flexibilidade e manha que me permitiram criar histórias com mais improviso, junto aos jogadores. Violentina coloca essa manha no centro do jogo. Também não há uma preparação prévia para o jogo: tudo é criado na hora, colaborativamente e com a ajuda das regras do jogo.

Violentina usa gabaritos, uma espécie de fichas simplificadas, pequenos bilhetes e cartas de baralho para o jogo. São necessários dois maços, preferencialmente de cores diferentes. O jogo, apesar de fácil, possui vários nomes e conceitos que parecem que vão demorar pra entrar na cabeça, mas nem tanto. Claro, alguém precisa ter lido todo o livro antes de jogar uma partida: querer descobrir tudo na hora vai render horas de confusão. O livro não é grande e de fácil leitura: devorei todo praticamente de uma só vez.

Os conflitos e decisões sobre as ações são feitos de uma maneira diferente em Violentina. Não são utilizados dados no jogo, então logo pensamos que as cartas são os paralelos destes no jogo, mas não é bem assim. Cada turno tem um Diretor (o bom e velho Narrador ou Mestre), que decide o que acontece em sua Cena. Caso haja algum conflito, ele que decidirá o que vai acontecer. Para mudar isso, um jogador pode usar uma de suas cartas da mão para tentar tomar o controle narrativo e decidir ele mesmo o que acontece. Parece caótico, mas é muito divertido!

Por fim, recomendadíssimo pra quem quer dar um gás a mais em suas sessões de RPG.

Quem quiser, pode baixar gratuitamente a versão playtest de Violentina ou comprar uma versão impressa final muito bacana.